quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O pioneiro dos mash-ups

Quando nem se falava em mash-up*, há 20 anos atrás, 1989, eu já bolava aquilo que seria conhecido posteriormente com este rótulo. Sem querer, fui o pioneiro dos mash-ups.

Quando eu ia embora do Colégio Brasil, na Alameda São Boaventura, no Fonseca, Niterói (colégio que se transformou infelizmente num terreno abandonado, como pude ver nesta semana), costumava ficar pensando em módulos musicais imaginários no caminho de volta para casa. Pensava em músicas de tudo quanto é tipo que eu gostava na época.

Aí veio, num belo dia, a idéia de juntar a parte vocal de Silent Running, do Mike + The Mechanics (com Michael Rutherford do Genesis e o multi-homem free-lancer Paul Carrack** nos vocais) com a instrumental de Shattered Dreams da obscura banda Johnny Hates Jazz (que teve o engenheiro de som do Final Cut do Pink Floyd, na formação). As duas músicas se encaixam perfeitamente. Coincidentemente, ambas pertencem à mesma gravadora, Virgin Records, subdivisão da gravadora EMI (Hoje Universal). Nunca gravei esse mash-up, que só existiu em minha mente. Se eu encontrar as partes isoladas, certamente eu farei o tal mash-up.

Em 1993 encontrei num vinil de meu pai uma faixa a-capella (sem instrumentos) gravada por Maria Bethania chamada Ofã. Juntei (artesanalmente, bem rudimentar, usando uma vitrola e dois toca fitas, um deles gravando) com a batida de versão remix de Shout dos Tears for Fears. Ficou estranho, mas ficou legal. Como gravei em fita, esse mash-up se perdeu.

Tenho o exemplo de dois mash-ups feitos por mim. Em um, juntei o coreano Psy com Pat Metheny e outra, eu juntei o Metallica com a Madonna. Aqui está o do Psy/Pat Metheny como amostra. Fui eu mesmo que fiz o mash up e o video usa cenas de um programa de funk (funk mesmo!) dos anos 70.

 

-----------------------------------------------------------------------------------
NOTAS: * Tipo de remix em que uma música é formada pela parte vocal de uma canção e pela parte instrumental de outra, muitas vezes de intérpretes bem diferentes, principalmente de gêneros e estilos ainda mais diversos.** Autor de How Long, gravada por vários artistas, e que participou em discos de Roger Waters e no primeiro álbum dos Smiths e que se tornou o principal vocalista do Mike + The Mechanics.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.